SEGUIDORES DE MarMel JURISTA

TRADUTOR / TRANSLATER

TRADUTOR / TRANSLATER / TRADUCTEUR / TRADUCTOR / TRADUTTORE
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

VISITANTES

TOTAL DE VISITANTES

Quem é Ton MarMel?

Minha foto

Bem vinda(o) à página de Ton MarMel, Jurista, Advogado há mais de 15 anos, Pós-Graduado em Direito Público, Artista Visual que tem a missão de oferecer SERVIÇOS JURÍDICOS EXPERIENTES, ASESSESSORIA, DEFESAS E ACOMPANHAMENTOS PROCESSUAIS, CONSULTORIA JURÍDICA ON LINE e conhecimentos de excelência com criatividade, segurança e eficiência. º--|--º  Meu trabalho é conhecido e reconhecido por várias pessoas físicas e jurídicas pois presto serviços e ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E EM GRUPOS, inclusive como PALESTRANTE sobre várias áreas do direito, arte social, desenvolvimento pessoal, motivação, empoderamento, liberdade emocional.

DESTAQUE: DIREITO AUTORAL - AUTENTICIDADE DE OBRAS - Análise e sugestões ao legislador. (Para ler basta clicar neste link http://antoniomartinsmelo-advogado.blogspot.com/2011/05/direito-autoral-autenticidade-de-obras.html

PESQUISAR NESTE SITE? DIGITE A PALAVRA PRINCIPAL OU ASSUNTO E TECLE ENTER.

QUER RECEBER NOTÍCIAS DE PUBLICAÇÕES? DIGITE E-MAIL E CONFIRME!

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

COMO IDENTIFICAR UM PSICOPATA

"Então, por uma razão bestial, através de um telefone que estava gravando a conversa, uma pessoa (atendendo a pedido de uma terceira pessoa, que realmente era a autora dos fatos) fazia ameaças de acabar com a vida da pessoa que, calmamente, a estava ouvindo do outro lado da ligação telefônica."

Ora, psicopatas não são apenas aqueles homens com uma faca na mão e olhar de louco, como os filmes americanos descrevem. é um padrão global de desrespeito e violação dos direitos alheios, que se manifesta na infância ou no começo da adolescência e continua na fase adulta. Este padrão também é conhecido como psicopatia, sociopatia ou transtorno da personalidade dissocial.” (Classificação DSM-IV-TR, p. 656).


A verdade é que cruzamos na rua com pessoas com personalidade psicopata e nem nos damos conta disso.



Foi no século XIX que os médicos começaram a perceber que haviam pacientes com grande distúrbio psicológico, mas com uma aparência normal. (Vide Estudos de Pinel).

Essas pessoas têm desordens sérias que estão relacionadas à genética, por isso são altamente perigosas, e por ser uma doença genética, essa alteração biológica do estado de saúde manifestada por um conjunto de sintomas perceptíveis ou não, não há cura.

No entanto, há também a "sociopata" (termo que se refere às pessoas que sofrem da mesma doença de origem psíquica e genética que é revelada através da alteração imotivada da emoção afetiva e do comportamento) que demonstram ser, relativamente, um pouco menos perigosas.

A diferença do primeiro para o segundo é a consciência` relativa.

Sabe quando se faz algo errado e logo se tem noção disso? Pois é! Infelizmente os psicopatas são desprovidos dessa capacidade de discernir o certo e o errado, e mesmo quando chegam a aparentar que distinguem um comportamento certo de um procedimento errado continuam agindo do mesmo modo, como se nada de errado houvessem feito. Ou seja: eles agem de modo errado (do mesmo `modus operandis`), prejudicam pessoas, não se dão conta do próprio erro, continuam cometendo os mesmos e outros erros piores, e manipulam as pessoas, mas não sentem absolutamente nada em relaçao as consequencias danosas de seus atos.

E o mais perigoso de tudo isso: são pessoas aparentemente normais e simpáticas.


Veja aLGUMAS características comuns para identificar um psicopata

1. Não se sente culpado
Você pode falar ou até provar a gravidade do mal que a pessoa está fazendo, mas ela simplesmente vai ignorar.
Isso porque o importante, para ela, é alcançar o objetivo.
Então nunca vai se sentir mal por nada.

2. É manipulador
O psicopata não consegue entender o outro nem ser grato.
O máximo que consegue é imitar a simpatia, fingir gratidão, a fim de manipular as pessoas.
Não é à toa que gente assim não consegue manter amizades saudáveis por muito tempo.

3. Gosta de fazer com que os outros se sintam culpados
O psicopata adora brincar com as emoções.
É habilidoso em conquistar sua confiança para uma futura manipulação.

4. É egoísta
Não importa se o mundo está se acabando, para os psicopatas, tudo está bem quando eles estão bem.

5. Sente-se superior
Este é o segredo de tudo.
O psicopata não se importa em fazer mal porque ele se considera melhor e mais inteligente do que qualquer outra pessoa.
Ou seja: ele acredita que deve controlar tudo ao seu redor.

6. É calculista
O psicopata é frio e calculista, além de fingir muito bem.
É um ator em cena, que engana muito bem, de forma que domina e controla as pessoas sem elas perceberem.

7. É bastante popular
Incrível, não é mesmo?
O psicopata parece amigável, acessível e aparentemente capaz de se dar bem com todo mundo.
Ele geralmente tem boa aparência e é popular.

8. VERDADEIRAMENTE `Não SE SENTE responsável por suas ações`
Isso mesmo! O psicopata faz muitas coisas erradas, mas verdadeiramente não consegue se responsabilizar por nenhuma delas. Ele pode até fingir que se importa, encenar gestos de quem se importa, dar aparência de que, depois, se sente culpado quando age premeditadamente de modo a se fazer acreditar que realmente tem consciência de que errou quando demonstra que repara o erro que cometeu.



O psicopata age de modo premeditado, doloso, frio, calculista.

Ela é incapaz de olhar nos olhos de alguém e discutir sobre seus erros. Ao contrário! Geralmente, pessoas com esse distúrbio fogem da realidade.

A) Mentiras
Psicopatas são mentirosos profissionais. Eles vão justificar as olheiras e cara amassada com uma noite intensa de videogame quando na verdade ele estava na balada até as 5 da manhã. Se você também conseguiu detectar a mentira e descobriu que ele não consegue contar a verdade sobre seus paradeiros, então é melhor colocar um ponto final na história.

B) Contradições

Um psicopata não sabe muito bem quem é - lembram do famoso Norman Bates, de Psicose? Pois é, um dia ele diz que está procurando a pessoa certa para casar e envelhecer de mãos dadas e no outro ele "não quer nada sério"...Oi? Viu a contradição? Ok, um homem não é diagnosticado com psicopatia por ser volúvel quando o assunto é compromisso, mas mesmo assim, fique atenta às contradições... Você pode estar sendo sofisticadamente enganada!

C) Paranoia
Ele constantemente te "mede" da cabeça aos pés tentando sentir quaisquer movimentos incomuns para que ele possa acusá-la de ter pulado a cerca. Ele obsessivamente vasculha seu Facebook, ou pior, ele pede para compartilhar o perfil com você, como um casal, para evitar que você fale com outros caras (o primeiro passo para controlar a sua vida). Enquanto isso, o celular dele apita com as mensagens de texto incessantes ou ele faz questão de manter todas as "ex" por perto, sempre acessíveis, e isso quando ele não te chantageia e pede a sua senha para checar suas mensagens e conversas "in box" com a desculpa de que "quem não faz nada de errado não tem o que temer" e usa essa desculpa até como condição para ter relação sexual. Corra, amiga, corra!

D) Manipulação

Meninos gostam de fazer joguinhos emocionais... aos 13 anos de idade. Psicopatas vão fazer seu celular - e a sua cabeça - entrar em parafuso com mensagens de texto doces e ligações até tarde da noite seguidas de longos desaparecimentos. Sem telefonemas, sem SMS, zero sinal de vida, em modo repeat. O "last seen" do Whatsapp é sua maior prova de estar sendo virtualmente ignorada. "Ele deve estar sem tempo", você pensa. Nosso conselho: acorda, amiga!

E) Controle

Um "psico" vai bem longe para conseguir detalhes íntimos da sua conta em redes sociais (leia-se senha e acesso livre ao seu histórico de inbox). Ele vai te seduzir para conseguir seus dados, até jogar a carta do "deixa eu só checar" e "se você não deixar é sinal de que você  não confia em mim e que faz algo de errado"... Eles sabem como tirar essa informação se você não estiver atenta. Não caia em armadilhas digitais só porque você acha que vai 'se sentir mais perto' dele. Isso é loucura.

F) O fator "ex"
Psicopatas tendem a compará-la com suas "ex", não necessariamente porque eles ainda estão presos à outra, mas porque eles realmente curtem te ver toda insegura. Há algo intrigante para um "psico" quando ele sabe que tem o poder de desvalorizar você, criticá-la e torná-la vulnerável enquanto inconscientemente promove mais conflitos.


G) Amor precoce

Se o homem que você está namorando manda um "eu te amo" no terceiro encontro, parabéns, você acaba de se juntar ao psico-circo. Meninas, todas gostariam que um homem se apaixonasse por elas assim tão rápido, mas essa realidade só rola na tela do cinema. Nenhum ser humano normal se apaixona tão rapidamente - e expressa esse sentimento - nenhum. Esqueça isso, você assistiu Cinderela demais na infância!

H) Narciso

A auto-absorção de um psicopata narcisista vai colocá-la na última posição da sua lista de prioridades. Para ele, ele é mais inteligente, mais bonito, mais engraçado e mais interessante do que você. Se o seu homem diz coisas que te lembram o Kanye West, então você sabe, você acaba de ganhar sua carteirinha do psico-clube.

I) Controle da raiva

Se de repente o seu querido vira o Hulk, então ele precisa de ajuda profissional. Física ou verbalmente, ele pode abusar de você. Qualquer coisa como gritar, um olhar raivoso, ameaças ou até conflitos físicos (agressões mesmo!) são sinais claríssimos de que seu parceiro precisa mesmo de ajuda. E você também! Deixe-o! A clássica manobra pós-abuso? Ele te chama chorando, com os olhos cheios de culpa. Tarde demais. Você já pulou fora!

J) Gato louco

Há uma razão pela qual o cão é o "melhor amigo do homem" e se ele não conhece essa máxima, então comece a se preocupar. Só as mulheres podem ser proprietárias de exércitos de gatos (e ainda por cima, sáo chamadas de loucas por isso). Se o seu homem é dono de algumas bolas de pêlo a mais, ele é maluquinho, ponto final.

Um psicopata é uma pessoa que sofre de um desvio de personalidade chamado de psicopatia. Essa condição é caracterizada por uma falta de empatia, ausência de medo, e comportamento desinibido. Um psicopata é incapaz de entender as emoções das pessoas, ou de tentar se colocar no lugar dos outros.

Eles também não reagem normalmente ao medo ou ansiedade como indivíduos normais, e o resultado disso são pessoas que não se importam com as outras. Para poder se defender de pessoas como estas você precisará mostrar um saudável nível de ceticismo, entender esse tipo de desvio de personalidade, e saber o que fazer caso esteja em algum tipo de relacionamento com um psicopata.

Assim, se você está em algum tipo de relacionamento com um psicopata, termine-o. Uma das melhores coisas que você pode fazer por si mesmo é terminar o relacionamento com essa pessoa. 

Essa atitude pode parecer cruel, mas tenha em mente que psicopatas raramente têm amigos pela amizade. Se terminar o relacionamento não é uma opção, tente se distanciar. Isso pode ser feito ao fingir estar ocupado quando ele a chamar ou não passar seu tempo fazendo coisas com ele como fazia antes.

Pense nisso como um modo de evitar danos futuramente para sua saúde física e mental. O psicopata pode conseguir destruí-la emocionalmente e te causar sérios danos físicos e financeiros, e você não deve mantê-lo em sua vida; existem formas de conseguir escapar. Para que o seu bem estar físico e emocional sobrevivam, você precisa tomar o controle de sua vida e cortar os laços que tem com essa pessoa.

Se você tem um relacionamento romântico com essa pessoa, tenha cuidado quando terminar com ela. Terminar o relacionamento do nada pode deixar seu parceiro enfurecido, raivoso, reagir de modo violento. Ao terminar com um psicopata, é melhor que isso seja feito pelo telefone ou internet. Nesse caso, um término menos íntimo pode salvar sua vida ou impedir que ele o machuque.

Envolva seus amigos. Certifique-se de que eles saibam que você está enfrentando problemas em seu relacionamento, que está tentando terminar, e que seu parceiro tem tendências violentas. Mantenha-os por perto ou na discagem rápida do celular, para que você possa escapar rapidamente se for preciso.

Não se sinta culpado. Terminar um relacionamento nunca é fácil. Se tratando de um relacionamento com um psicopata, coloque-se em primeiro lugar quando se tratar da importância da relação. Perceba que você não está o abandonando no momento em que ele mais precisa; você está apenas se protegendo, se precavendo, se guardando de uma possível agressão ou algo pior.

Ouça seus instintos. Medo é um instinto natural que precisa ser ouvido. Esse sentimento é uma reação protetora que pode salvar sua vida em situações de risco. Ouça o seu corpo principalmente quando estiver com medo; isso irá permitir que você escape ou evite situações perigosas. Isso não te torna um covarde ou te faz uma pessoa de má vontade; apenas significa que você está sendo intuitivo e inteligente.

Confie nas reações do seu corpo. Como esse relacionamento te faz sentir? É bem provável que o relacionamento te faça sentir como se estivesse andando em um campo minado; e por uma boa razão.

Ouça esse sentimento. Nenhum relacionamento deveria deixar você com medo. Se a ideia de interagir com essa pessoa te deixa amedrontado, esse é um sinal do seu cérebro pra você cair fora. Essa pessoa está lhe machucando. Não tente dar outras explicações ao o que o seu corpo ou mente estão tentando dizer.

Não se culpe. Quaisquer que sejam as razões do seu envolvimento com um psicopata, é importante que você não aceite a culpa pela atitude ou comportamento dele. Psicopatas são indivíduos charmosos que sabem exatamente como ter aquilo que querem. Eles são capazes de tecer uma teia de mentiras para fazer com que todos, não apenas você, pensem e façam tudo aquilo que eles querem. Perceba que você não tinha como saber. Acredite! Se não fosse com você, certamente seria com alguma outra pessoa e vítima! E isso tem tudo a ver com o comportamento deles, e náo tem nada a ver com a sua pessoa.

Cortar essa pessoa da sua vida pode fazer você achar que está agindo de uma forma cruel desnecessariamente. Lembre-se de que você não deve se sentir culpado por terminar o relacionamento e deixá-lo. Você deve (isso sim!) se proteger, primeiramente e sempre. Perceba que a culpa não é sua por ter ficado com essa pessoa e nem por abandoná-la.

Procure por um forte grupo de ajuda urgente! Pois, no momento em que suas suspeitas se confirmarem, você já terá passado algum tempo com essa pessoa e talvez seja tarde. Certifique-se de ter todo o apoio que você precisar de sua família e amigos, e procure por grupos de ajuda que se dedicam a ajudar vítimas de agressão, vítimas das consequências do convívio com pessoa psicologicamente doente. Fale com as pessoas chegadas a você e as mantenha por perto. Você precisará de força para passar por esse momento difícil.

Existem muitos sites sobre psicopatas que até mesmo monitoram o comportamento e localização deles. Você tem meios à sua disposição. Existem comunidades inteiras dedicadas à mesma coisa que você esta combatendo.

Seja cético quanto a tudo o que ele diz e faz. Psicopatas mentem, manipulam, não têm empatia, e usam os outros para ter aquilo que querem. Quando lidar com uma pessoa assim, nunca acredite literalmente naquilo ela diz ou faz. O ceticismo consiste ao não acreditar em nada do que é dito, lido, ou até mesmo visto; eles provavelmente estão fazendo as coisas apenas para benefício próprio. Quando estiver lidando com alguém que você suspeita ser um psicopata, examine todo o comportamento dele através das lentes do ceticismo.

Considere a fonte de suas informações. Essa pessoa é digna de confiança? A história contada está de acordo com as suas conclusões? O que foi contado está fora de contexto? Essas são perguntas que você deve fazer a si mesmo quando estiver desconfiando da veracidade da informação ou até mesmo da própria pessoa.

Pense nessa pessoa vindo até você com uma fofoca daquelas. Questione porque essa pessoa falaria isso pra você e o que ela pode ganhar ao espalhar essa fofoca. O que ela ganha com isso? Quando se lida com psicopatas, existe sempre algo escondido.

Sempre averigue a história contada. Sempre que possível, cheque com um amigo, colega de trabalho, ou pesquise rapidamente na internet para verificar a veracidade do que foi contado a você. Mesmo que o que foi dito pareça ser verdade, as tendências que um psicopata tem para mentir abrem brechas para a dúvida. Pense nos detalhes: alguma coincidência ocorreu no momento em que ele falou algo a você?

Essa pessoa tem alguma motivação pra mentir? É possível que as palavras dele estejam distorcidas? Sempre que puder, tente verificar com outras fontes para checar se o que foi dito é verdade.

Quando não puder verificar, ouça seus instintos. A história parece ser provável? É possível que a história, ou parte dela, seja uma mentira? Psicopatas geralmente não têm problema algum em mentir para outras pessoas, quer sejam mentiras inofensivas ou não.

É importante usar todo esse ceticismo, porque psicopatas tendem a usar pessoas como meios para um fim. Eles podem precisar (ou querer) dinheiro e mentir para consegui-lo, fazendo com que você empreste ou realize outras vontades deles. Eles se aproveitarão da culpa que você sente por não estar lá quando precisarem de você.

Perceba se ele quer tomar o comando da relação. Psicopatas têm uma grande necessidade de exercer controle emocional e psicológico nas outras pessoas. Eles precisam estar no controle, e para isso irão usar o charme, intimidação, manipulação e violência de todos os modos e formas. Quando o psicopata tentar tomar o controle, ele irá tentar vencer à todo o custo. Isso significa que lutar pelos seus direitos será difícil e talvez venha causar um grande trauma emocional ou físico. Quando você vir que isso irá acontecer, não lute. Ignore e faça com que ele saiba que você não irá participar dessas disputas.

Estabeleça limites para evitar que ele tire vantagem. Essa atitude pode salvar sua vida e mesmo facilitar sua vida caso você tenha que interagir com essa pessoa frequentemente. Isso pode significar, por exemplo, não pagar a fiança caso ele se meta em problemas no futuro. Ele deve saber que haverá consequências para o comportamento dele e que haverá coisas que você não vai tolerar.

Não empreste nada a essa pessoa. Se ela pedir por algo, tente dar uma desculpa razoável sem fazê-la ficar com raiva. Caso contrário, ela provavelmente irá procurar por um meio de lhe machucar (não precisa ser fisicamente) por não obedecê-la. Convença-a de alguma forma que você não conseguirá realizar o pedido dela.

Psicopatas são notoriamente conhecidos por não pagarem suas contas. Isso mesmo! Vivem "dando o cano" nos outros! Eles geralmente não conseguem pagá-las, e sequer tentam se esforçar para isso. Então, nunca empreste dinheiro a um psicopata ao menos que você esteja ciente de que nunca mais irá receber novamente essa quantia.

Seja tolerante e paciente. Se você vive uma situação em que um psicopata está em sua vida pra valer, para conseguir se proteger, você precisa ter muita paciência e tolerância. Você terá que se comprometer em diversas situações e em diversas situações você deverá estar preparado para passar vexames e vergonhas. Ficar ao lado dessa pessoa e questionar suas opiniões e pensamentos não irá lhe fazer bem. Evite-as sempre que possível. Quando não puder, não dê tanto crédito ao que for dito.

Psicopatas são incrivelmente centrados. Eles pensam somente no próprio bem-estar. Dão importância apenas para as próprias ideias. Mesmo que eles tirem todo o seu dinheiro, não irá passar pela cabeça deles que eles estão lhe arruinando financeiramente. Ao lidar com psicopatas, você precisa perceber que eles são como crianças que não sabem que existe um mundo lá fora.

Não seja enganado pelo charme dele. Uma das principais características de um psicopata são seu grande carisma e charme. Geralmente, psicopatas atraem pessoas ao serem adoráveis, mascarando as verdadeiras intenções. No entanto, psicopatas são conhecidos por serem mentirosos e não merecedores de confiança. Enquanto a amizade segue em diante, você perceberá que não pode depender dessa pessoa. Entenda que esse charme e gentileza são o que eles usam para enganar as pessoas.

Tente ver através desse charme e enxergue o indivíduo por trás dele. Como essa pessoa é quando não está com a máscara? Como as mentiras refletem nesse suposto “charme”? Quem ele é realmente quando deixa a máscara cair?

Mantenha suas próprias fraquezas escondidas. Essa atitude protege suas fraquezas emocionais que podem servir de alvo para um psicopata. Existem áreas de sua vida que você não pode mostrar a um psicopata para poder evitar manipulação. Ele pode se prender a essas fraquezas e nunca mais largá-las.

Todos as têm; e sabendo disso, o psicopata se prende a elas para poder manipular aqueles ao seu redor. Não dê a ele essa vantagem sendo uma pessoa centrada e forte.

Digamos que você seja muito inseguro quanto ao seu peso. Se um psicopata souber disso, ele pode usar como vantagem. Se você quiser sair com seus amigos, e ele quiser que você fique em casa com ele, ele irá dizer algo como “Você vai acabar comendo um monte de porcaria e no outro dia vai ficar mal por estar tão gorda assim”. Você vai acabar ficando em casa, se sentindo triste, e ele irá conseguir o quer.




Para que alguém seja um psicopata, essa pessoa precisa ser um adulto. No entanto, alguns sintomas podem se tornar evidentes mais ou menos pela idade de 15 anos. Procure pelos seguintes sinais ou sintomaS ABAIXO.
Fraudulência
Comportamento irresponsável no ambiente de trabalho
Manipulação das pessoas para benefício próprio
Agressão às pessoas

Destruição de propriedade

Violação de regras

Simulação de doença

Falta de empatia
Fala mentiras repetidamente sem vergonha
Impulsividade
Negligencia quanto aos próprios filhos e família
Pequeno ou nenhum remorso quanto às consequências do próprio comportamento
Não pära pra pensar nos pröprios atos
Irresponsabilidade financeira
Podem machucar a si mesmos e outros
São convencidos e arrogantes
  

Saiba que, para um psicopata, todos os relacionamentos são meios para um fim. Eles raramente têm amigos de verdade. Geralmente há algo que eles querem, precisam, ou estão sugando do relacionamento. Caso não seja útil para eles, eles não irão querer uma amizade ou relacionamento com você.

Isso não tem nada a ver com seu valor, e sim em como eles veem o mundo. Eles não veem as pessoas como seres humanos de valor que podem fazer a vida melhor. Eles veem as pessoas como objetos a serem usados, manipulados, e aproveitados.

Tenha em mente que psicopatas tem uma tremenda tendência para a raiva e violência. Eles podem ter reações exageradas a problemas simples e diários, e algumas vezes tornam-se extremamente violentos. Para um psicopata, uma amizade, afinidade, ou qualquer tipo de relacionamento não significa para ele a mesma coisa que significa para as outras pessoas. Até aqueles que declaram seu amor por alguém podem mudar e machucá-lo de uma hora para outra, sem qualquer motivo e sem qualquer razão, tanto emocionalmente quanto fisicamente.

O cuidado que ele tem com você não é baseado no amor, mas sim com a possessão no relacionamento. Para um psicopata, o amor não é sentido da mesma forma que o sentimos. Para ele o amor é apenas um forte sentimento de apego, de propriedade, de posse, resultando assim num relacionamento superficial ou puramente possessivo.

SAIBA COM O QUE VOCÊ ESTÁ  LIDANDO! É mais fácil falar do que fazer; psicopatas são mestres da manipulação. Psicopatas são encontrados em muitos segmentos da sociedade, e existe uma grande chance de que algum dia você encontre com um. Sua melhor defesa é entender a natureza desse desvio de personalidade.

Não espere por mudanças drásticas. As personalidades de psicopatas são relativamente estáveis e tratamentos em adultos não obtiveram sucesso. É provável que essa pessoa continue assim pelo resto da vida.

Muitas pessoas acreditam que pessoas que fazem tantas coisas terríveis desse jeito são más. No entanto, nada nesse mundo é completamente definitivo a não ser o fato de que não ha cura para essa doença. Psicopatas fazem coisas ruins porque não conseguem interpretar o certo e o errado da mesma forma que você. Eles entendem o conceito de certo e errado que a sociedade impõe, mas lá no fundo eles não acham que as coisas erradas realmente estejam de fato “erradas” e assim continuam agindo e pensando como agem e pensam sem qualquer pudor ou peso de consciëncia.

É também importante entender que eles podem não querer machuca-lo. Como discutido anteriormente, muitos psicopatas usam pessoas como um modo de conseguir as coisas. Mesmo que eles queiram todo o seu dinheiro, eles podem não perceber que irão lhe arruinar financeiramente. É tudo sobre eles; eles não entendem ou não se importam com o que irá acontecer com você. Porém, isso não quer dizer que eles não sejam responsáveis pelo próprio comportamento ou que sejam inimputáveis.

Agir do jeito que eles agem não é certo.

Entenda que nem todos os psicopatas são violentos, mas se a pessoa que você conhece já agiu com violência algumas vezes, fique atento. Ainda que anteriormente tenha se falado muito em tendências violentas, existem psicopatas de sucesso que conseguem conviver bem na sociedade. Eles frequentemente irão exibir suas personalidades de formas diferentes, como sendo pessoas cruéis no trabalho. Esses psicopatas ainda assim devem ser tratados com muito cuidado. Apenas porque eles não são “fisicamente” violentos, não quer dizer que eles não sejam capazes de machucar as outras pessoas, tanto emocionalmente quanto fisicamente ou que não tenham crises de violencia periodicamente.

No fim das contas, o desvio de comportamento de cada psicopata se manifesta de modo diferente, mas o modo de operar na mesma pessoa sempre se repete de modo igual.  Não existem psicopatas iguais, mas todo psicopata age do mesmo modo na maioria das vezes e repete os mesmos erros durante a vida toda. No entanto, todos eles têm tendências manipuladoras e podem ser incrivelmente cruéis quando se trata de lidar com outras pessoas. Sempre, independente da situação, aja com precaução.


IMPORTANTE


Tudo o que está transcrito acima são sinais comuns de psicopatia e sociopatia encontrados nos mais diversos livros e artigos sobre o assunto. No entanto, só é possível determinar, com precisão, que alguém sofre desses males em maior ou menor grau de psicopatia e o tratamento adequado com ajuda de um médico psiquiatra especialista.

O que se pretende através deste artigo é alertar sobre essas doenças porque é muito provável que você conheça alguém com um desses perfis.

No entanto, pode ser que a pessoa seja simplesmente um "vampiro emocional", aquele tipo de gente que escolhe ser da pior qualidade, mas com saúde mental perfeita.

Assim, este artigo da área de psiquiatria, inserido no universo jurídico, não substitui um especialista. Por isso, consulte seu médico.


....................................
Fundamentação
1 - DO PSICOPATA AO ANTISSOCIAL: a construção sócio-histórica do transtorno de personalidade antissocial (TPA) nos saberes psi de Priscilla Gomes Mathes e Felipe Basso Silva. Site http://www.13snhct.sbhc.org.br/resources/anais/10/1345085995_ARQUIVO_trabalhocompletoMATHESBASSO13sbhc.pdf
2 - Você pode identificar uma pessoa psicopata: basta encontrar nela estas 8 características!.Site https://www.curapelanatureza.com.br/post/09/2017/voce-pode-identificar-uma-pessoa-psicopata-basta-encontrar-nela-estas-8-caracteristicas#qZZ4tvomVcSGbL3V.99 .
3- Comer, J. R. (2008). “Abnormal psychology”. (7th Ed.) Princeton University Press, pp.518-523.
4 - Taylor, S. E. (2006). “Health Psychology” (6th Ed.), New York; Mc Graw Hill.
5- "The Handbook of Psychopathy" edited by Chris Patrick
6- "Without a Conscience" by Dr. Robert Hare
7- "The Gift of Fear" by Gavin De Becker
8- "The Mask of Sanity" by Dr. Hervey Cleckley




segunda-feira, 20 de novembro de 2017

PERICIA PSICOLÓGICA E PSICOLOGIA DO TESTEMUNHO

PERíCIA PSICOLÓGICA


A avaliação psicológica é um estudo aprofundado e criterioso dos aspectos emocionais e psicológicos de uma pessoa: estrutura e dinâmica de personalidade, inteligência, maturidade mental, funções neurológicas, aspectos emocionais, motivações e comportamentos.



O laudo psicológico é um documento minucioso e abrangente que visa analisar e integrar os dados obtidos no processo de avaliação psicológica, com intuito de apresentar fundamentos para subsidiar ações, decisões e encaminhamentos. Indica a condição emocional de um indivíduo e deve estar orientado aos objetivos judiciais, apresentando respostas claras e objetivas aos quesitos.

As perícias podem ser requeridas em diversas situações: processos de questões trabalhistas, para avaliar os danos relacionados às condições laborais; em casos de violência infantil, para avaliar o sofrimento emocional resultante do abuso sofrido e para determinar medidas de preservação; em casos de adoção, guarda de filhos e regulamentação de visitas para avaliar as condições emocionais dos pais.

O profissional opta pela linha teórica e o material que desejar pm'a esse processo. O laudo deve apresentar ampla gama de detalhes, a escrita deve ser clara para juízes, advogados e promotores e, além do conteúdo subjetivo, a perícia investiga a realidade objetiva e como osfatos ocorreram, apresentando os dados reais de uma situação.

O psicólogo deve apresentar os dados úteis para elucidar as questões, sem expor elementos desnecessários, pautando sua atuação em princípios éticos e científicos rigorosos.




PSICOLOGIA DO TESTEMUNHO


A psicologia de testemunho aponta a importância de investigação dos processos in­ternos que podem ou não dificultar a veracidade do relato a respeito do que foi visto ou vivido.

As ferramentas fundamentais são os interrogatórios e entrevistas projetados para a obtenção de evidências e informações verdadeiras, pois o juiz não presenciou o fato em relação ao qual irá sentenciar.

O êxito do interrogatório depende de fatores como a habilidade do entrevistador, o tipo de entrevista, o grau de colaboração do entrevistado e tempo de intervalo entre o fato ocorrido e o depoimento.

As informações armazenadas na memória podem alterar-se com o passar do tempo, pois o psiquismo tem a necessidade de incorporar novas informações para dar sentido ao conjunto de recordações. Os depoimentos estão sujeitos a imperfeições como erros, falhas, excessos decorrentes de defeitos na fixação, conservação e evocação da percepção, além de fatores específicos ligados à idade, ao sexo, a condições sociais e nível mental, ou seja, variáveis pessoais e fatores externos presentes na situação de testemunho influenciam a codificação da informação.

O formalismo do ambiente jurídico, a exposição e o fato de as respostas dadas influenciarem no julgamento de alguém geram impacto emocional à testemunha e consequentemente na maneira como se posiciona diante do juiz.

O testemunho de uma pessoa sobre um acontecimento qualquer depende do modo como percebeu (condições externas e internas de observação), do modo como sua memória o conservou; do modo como é capaz de recordar (aspectos psico-orgânicos influenciados por mecanismos psíquicos como repressão e censura); do modo como quer expressá-lo (grau de sinceridade) e do modo como pode expressá-lo (grau de precisão expressiva, fidelidade e clareza com que o indivíduo é capaz de descrever suas impressões e representações para que as pessoas as sintam ou compreendam como ele).

Os registros psicológicos das experiências de vida criam referenciais de valores e crenças que norteiam nossas percepções. Não existe percepção neutra; os esquemas perceptivos são essencialmente subjetivos.

O tempo de exposição, o estresse e a ansiedade, condições de observação e luminosidade, relevância do acusado no contexto social e valores da testemunha são outros fatores que interferem na precisão do relato e são incontroláveis pelo sistema jurídico. A situação de testemunho gera alguma ansiedade, e por isso o processamento da informação torna-se ambíguo, criando distorções de memória.

O processo de memorização pode sofrer perturbações, causando amnésias. A percepção fixada perde-se e não pode ser evocada por certo tempo. O esquecimento de fatos ocorre quando uma lembrança está ligada a um afeto desagradável ou imoral, provavelmente difícil  de suportar. O psiquismo evita recordações que circundam um núcleo emocional intenso, através do processo psíquico de repressão.

A expressão do testemunho também pode ser influenciada pelos recursos expressivos do indivíduo. Os depoimentos podem ser distorcidos para atender às expectativas que o depoente imagina que o juiz tenha, ou seja, giram em torno de como parece ao juiz que o depoente os devia ter vivido.

Pode-se concluir que a percepção e a memória são processos com limitações estruturais e funcionais, influenciados por componentes pessoais, psicológicos e ambientais, tanto no momento do fato ocorrido, quanto na memorização e no testemunho.


RELATÓRIO ESPONTÂNEO


Apresenta um testemunho menos deformado, mais vivo e puro do acontecimento em que o indivíduo é estimulado a relatar suas recordações acerca do fato, sem interrupções. Pode ficar incompleto e irregular, apresentando elementos interpolados e detalhes irrelevantes ao processo.


INTERROGATÓRIO


Representa o resultado do que o indivíduo sabe e o que as perguntas tendem a fazê-lo saber. A resposta mistura vivências espontâneas da pessoa interrogada, como também representações e tendências afetivas evocadas pela pergunta. Por interrogatório, o testemunho costuma fornecer dados mais concretos, porém menos exatos que o relato espontâneo.

A resposta pode não ser verdadeira porque a ideia que se encontra implícita na pergunta pode evocar outra lembrança por associação, discordante com o que se deve testemunhar. A pergunta pode fazer o indivíduo sentir a existência 'de uma lacuna em sua memória, a qual buscará preencher com uma resposta ao acaso ou baseada em uma dedução lógica.


CONFISSÃO


Forma de testemunho em que o indivíduo voluntariamente se expõe à respectiva punição. Não constitui prova plena de culpabilidade, devendo apresentar concordância com outras provas para atestar sua confiabilidade. Pode ser imposta pela evidência dos fato , pode constituir-se como opção para aliviar a culpa, abrandar a pena e vaidade. Pode também ser falsa, motivada por valores morais, para livrar outra pessoa, por solidariedade familiar, obtenção de álibi, recompensa ou induzida por tortura.


TESTEMUNHO DA CRIANÇA


Possui valor jurídico, porém alguns fatores podem comprometê-lo e devem ser considerados, como o nível de desenvolvimento cognitivo, a linguagem e a memória. As crianças apresentam elevado grau de sugestionabilidade por sua condição em desenvolvimento. A sensibilidade e a competência dos entrevistadores são elementos fundamentais, evitando problemas que podem interferir na confiabilidade do relato. As crianças podem oferecer respostas fantasiosas, baseadas no que acham que deveria acontecer ou pelo desejo de adequar-se às expectativas do entrevistador.

A criança que vivenciou uma situação violenta ou presenciou algum delito sobre os quais irá testemunhar torna-se fragilizada diante do interrogatório. O evento traumático pode mobilizar defesas psíquicas que visam proteger a criança no contato com lembranças tão dolorosas. As recordações podem ser fruto de falsas memórias implantadas por terceiros ou entrevistas inadequadas. Acima de tudo, a criança deve ter sua integridade preservada e não ser submetida a situações que possam comprometer seu desenvolvimento como um todo.

A diminuição da ansiedade e a ambientação da criança aumentam quando ela é informada sobre o propósito da entrevista para fins jurídicos e o que se espera dela. Quando realizada de forma adequada, essa etapa inicial pode aumentar a quantidade de informações dadas pela criança e reduzir os efeitos da sugestionabilidade.


TESTEMUNHO DO IDOSO


Também pode ser caracterizado por falhas e imprecisões. Por causa da debilidade senil e progressiva desagregação psíquica das funções de memória, atenção e fixação de estímulos, o depoimento pode ser incoerente, com confusão entre fato verídicos e imaginários.


PESSOA COM DEFICIÊNCIA


Previamente ao depoimento, é necessário determinar a capacidade do indivíduo como testemunho. o caso de haver lesões cerebrais ou déficits mentais e sensoriais, é importante que se determine as áreas de desempenho prejudicadas e adaptações em recursos de comunicação podem ser feitas.